A Cópia do Processo tem 40 anos e difícil de ser lida, sendo transcrita abaixo

   
13ª Vera Criminal --- Processo 35.581

2ª Testemunha:  Dr. Oswaldo Moraes Andrade- disse que já depôs sobre o caso do depoente mas; não numa Delegacia; que por duas vezes o acusado campareceu ao consultório do depoente para ser examinado; que da primeira vez compareceu o dr, Olímpio Pereira da Silva colega do depoente, do IML e da outra vez não se recorda se o acusado compareceu sozinho ou acompanhado; que Wilson Alcyl que também acompanhou o Dr. Olimpio na primeira consulta; que conversou com o acusado nessa primeira visita mas não chegou a nenhuma conclusão por que achava que o mesmo ou qualquer um deveria internar-se para ser melhor observado; que sugeriu que se quizessem que o depoente ficasse numa observação melhor; que fosse o paciente internado; que numa entrevista não dava para dignosticar alguma coisa relativa a sua especialidade, relativo ao paciente; que a aparência do acusado que era aparência tensa; que os acompanhantes do acusado não votaram a procura-lo; que da segunda vez se não se engana o acusado compareceu ao consultório acompanhado da esposa; que na segunda consulta o depoente prescreveu, medicações, digo, medicação ansiolítica recomendando-o se tratasse; que não se reccroda se ouvi outras consultas; que nunca receitou nada fora da presença do acusado; que já deu um parecer por escrito respondendo a consulta do Sanatório Botafogo, no mesmo sentido do depoimento que ora preta. Não se recordando que tenha ou não indicado a internação; que tem a impressão de que receitou 10 mg por dia de uma medicação ansiolita; que não se lembra quantos vidros receitou. PELO, dr.assistente; que conhece o irmão do acusado como médico; que não se recorda se a mãe e o irmão do acusado estiveram no consultório; que não se recorda se a internação não se deu por questões financeiras, nada ....


NOSSA NOTA:

O  Dr. Oswaldo Moraes Andrade ao dizer  "não chegou a nenhuma conclusão" e "...ou qualquer um", falou de forma genêrica, e provou que a Declaração do Comissário Wilson Oacyl Bodstein do DOPS, não foi autorizadas por ele.

Ao falar em "questões financeiras" é sempre bom lembrar que o referido médico era Diretor de uma casa de saúde psiquiátrica em Botafogo, onde aconteceu a "montagem" da suposta consulta. --- montagem,  porque quem se consultava era a esposa do Requerente, e este entrou no consultario apenas para dar informações sobre a sua mulher.

 









Documento da Transferência da Caixa de valores 32C do City Bank

O pretexto da transferência foi evitar que os 3 quilos de ouro e cerca de 600 dólares que estavam guardados no cofre do banco fossem confiscados pelo Exército !  --- Porém, se consumava um furto dos bens do casal pelo Delegado do DOPS/SNI Wilson Oacyl Bodstein.

A maior parte da documentação da "Trans-Ennis", contratos, etc. se encontravam nessa Caixa de Valores N.32C do City Bank, dificultando a prova que ora é apresentada à Comissão de Anistia Política.



 

     CLIQUE para volta à pagina principal.